29
3/2015

Comentários
0

Venda da GVT, Oi, B Larga Fixa (Fev/15), TV analógica e resultados de 2014

Eduardo Tude

Como previsto neste Blog a semana foi quente.


Aprovada venda da GVT para a Telefônica


O CADE aprovou a compra da GVT pela Telefônica/Vivo e a cisão da Telco, controladora da Telecom Itália.


A Telefônica se comprometeu a vender a integralidade de suas ações na Telecom Itália e a Vivendi sua participação na Telefônica/Vivo, decorrente da venda da GVT.


O Cade, assim como a Anatel, encontrou problemas de concentração em quatro municípios (Arujá, Suzano, Várzea Bonita e Votorantim), onde terão de ser mantidas as mesmas promoções de preços e velocidade da GVT por 18 meses.


A Telefônica anunciou, logo após a decisão do CADE, uma restruturação da sua Diretoria, com a indicação de Amos Genish (Presidente da GVT) para o cargo de Presidente da Telefônica/Vivo. Antonio Carlos Valente assume a presidência do Conselho de Administração da Companhia e Paulo Cesar Pereira Teixeira deixará a Vivo.


Com esta aquisição a Telefônica reforça seu foco no Brasil e se coloca em condições de disputar o mercado fixo em todo o Brasil. A Telefônica fechou esta semana a venda de sua operadora móvel no Reino Unido O2 para a Hutchinson Whampoa (H3G) por US$ 15,3 bilhões. A GVT irá custar 7,2 bilhões de euros à Telefônica.


Resultados 2014 da Oi


A receita líquida da Oi no Brasil apresentou queda de 2,8% em 2014. Esta queda ocorreu em todos os segmentos:

  • Residencial (-3,0%),
  • Mobilidade pessoal (-3,0%) e
  • Empresas/Corporativo (-1,7%).


A margem EBITDA de rotina caiu de 25,4% em 2013 para 23,9% em 2014.


A empresa iniciou um “Turnaround” no 4T14 objeto do comentário do Teleco desta semana.


Os resultados apresentados pela Oi não incluem a Portugal Telecom, cujos ativos são classificados como operações descontinuadas da PT Portugal que fazem parte do contrato de venda à Altice S.A.


A Oi apresentou prejuízo líquido R$ 4.408 milhões em 2014, em consequência dos impactos contábeis de R$ 4.415 milhões referentes aos resultados apurados com essas operações descontinuadas. Sem estas baixas contábeis, a Oi teria apresentado um lucro líquido de R$ 8 milhões.


A dívida líquida da Oi caiu para R$ 30,6 bilhões com a venda dos ativos da Portugal Telecom para a Altice. A dívida representa 4,3 vezes o EBITDA de rotina.


Processo de fusão da Oi e PT


Esta semana foi dado mais um passo no processo.


Assembleia Geral de acionistas da Oi aprovou o “Contrato de Permuta” que reduz a participação dos acionistas da Portugal Telecom (PT SGPS) na Oi para 25,6% em função das perdas de 897 milhões de euros com aplicações financeiras realizadas pela PT na Rio Forte.


O próximo passo seria a consolidação da Oi, da TmarPart e da Portugal Telecom SGPS S.A. (“PT SGPS”) na CorpCo.


A CorpCo. teria ações negociadas no “novo mercado” da Bovespa (só ações ordinárias).


Esta operação depende, no entanto, de registro no SEC (CVM dos Estados Unidos), que só poderá ocorrer quando essa agência regulatória aprovar o relatório 20F da PT SGPS de 2013.


Banda larga fixa (Fev/15)


O Brasil apresentou em Fev/15 adições líquidas de 172 mil acessos banda larga fixa (SCM), menos que em Fev/14 (215 mil).


As adições líquidas acumuladas nos dois primeiros meses do ano (317 mil) são menores que em igual período de 2013 (401 mil).


A Embratel/Net liderou em adições líquidas acumuladas nos dois primeiros meses de 2014 com 131 mil acessos, seguida pela GVT (62 mil) e Vivo (57 mil). A Oi acumula adições líquidas negativas (-28 mil) neste período.


Resultados 2014

  • A Telebrás apresentou prejuízo de R$ 117 milhões.
  • A Globo apresentou receita líquida de R$ 16,2 bilhões (+11%) e lucro líquido de R$ 2,4 bilhões.
  • A Ericsson Brasil apresentou receita líquida de R$ 2,8 bilhões em 2014 (+3,5%).
  • Os tablets vendidos no Brasil (9,5 milhões) apresentaram crescimento de 13% em relação a 2013 (IDC).
  • O PIB de Serviços de Informação cresceu 4,6% em 2014, mais que o PIB Brasil que ficou estagnado (0,1% ).
  • Segundo a Akamai, a velocidade da banda larga fixa do Brasil no final de 2014 era de 3 Mbps e a da móvel 1,8 Mbps. As medições são realizadas pela Akamai entre os usuários de seus aplicativos.



Migração da TV analógica para a Digital


O Grupo responsável pela migração (Gired) realizou reunião esta semana.


O tema mais quente da pauta foi a definição dos modelos de conversores de TV Digital que deverão ser distribuídos para 14 milhões de famílias.


Operadoras móveis e radiodifusores comerciais defendem a escolha de modelos mais simples, enquanto as TVs públicas querem conversores com mais recursos utilizando o Ginga.


A próxima reunião está prevista para 29 de abril.

 

 

22
3/2015

Comentários
0

Semana quente (CADE, Oi e PIB), Telecom Itália, IPv6 e outros destaques

Eduardo Tude

Semana quente


A próxima semana promete ser quente:

  • Na quarta (25/03), o CADE deve aprovar a compra da GVT pela Telefônica/Vivo. A Anatel já aprovou a operação. A Telefônica publicou fato relevante abrindo mão de todos os seus direitos políticos em relação à Telecom Itália.
  • Na quinta (26/03), a Oi realiza Assembleia Geral para aprovar o “Contrato de permuta” que reduz a participação dos acionistas da Portugal Telecom (PT SGPS) na Oi para 25,6% em função das perdas de 897 milhões de euros com aplicações financeiras realizadas pela PT na Rio Forte. A data limite estabelecida no acordo para que a operação se efetive é 31/03/2015.
  • Na sexta (27/03), a Oi divulga os seus resultados para o ano de 2014 e o IBGE o PIB do ano passado.


Telecom Itália


O conselho da Telecom aprovou os resultados de 2014 da Telecom Italia. O Grupo apresentou lucro líquido de 1,35 bilhões de euros, revertendo o prejuízo de 674 milhões de euros de 2013.


Anatel estabelece calendário para IPV6


Até julho de 2015, todas as prestadoras de telecom do Brasil deverão ofertar endereços IPv6 públicos aos novos usuários e usuários legados que solicitarem.


Onde não houver oferta de IPv6 a prestadora deverá alocar ao usuário, de forma dinâmica ou fixa, um endereço IPv4 público não compartilhado.


Outros destaques


O MiniCom aprovou a inclusão de projetos no valor de R$ 5,9 milhões (Oi) e R$ 7,9 milhões (Algar) no REPNBL.


A Microsoft revelou que pretende lançar o Windows 10 até o final do 1º semestre deste ano.


 

 

15
3/2015

Comentários
0

Celular em fev/15, Nextel, Anatel e outros destaques

Eduardo Tude

Celular em fev/15


Dados preliminares da Anatel indicam que o Brasil terminou fevereiro com 213,8 milhões de celulares pré-pagos.


As adições líquidas de 392 mil pré-pagos no mês são inferiores às de jan/15 (470 mil), mas superiores às de fev/14 (-208 mil). Este resultado pode indicar uma estabilização da base pré-paga com menos ocorrências mensais de adições líquidas negativas.


O pós-pago apresentou adições líquidas de cerca de 400 mil celulares, inferiores às de jan/15 (503 mil) e às de fev/14 (578 mil).


Resultados 2014: Nextel


A Nextel Brasil terminou 2014 com 4,3 milhões de acessos móveis, sendo 2,7 milhões com tecnologia iDEN (-26,3% no ano), 1,5 milhões 3G e 196 mil 4G.


A receita líquida da Nextel Brasil apresentou queda de 8,8% no ano.

 
A Nextel Brasil foi a empresa que apresentou melhor desempenho no Grupo (NII). A receita da NII apresentou queda de 21,7% no ano.


As perdas da NII em 2014 (considerando as operações atuais) foram de US$ 1,8 bilhões.


A NII concluiu a reestruturação da sua dívida e está vendendo suas operações no México e na Argentina.


SKY e TIM


A SKY, agora controlada pela AT&T, vai investir R$ 1,3 bilhão, entre satélite, equipamentos e a construção um novo Centro de Transmissão (CT).


A TIM está utilizando a frequência de 1,8 GHz para oferecer 4G em Búzios, Angra dos Reis, Cabo Frio e Campos dos Goytacazes.


Anatel


A Anatel aprovou a troca da participação da Vivendi na Telefônica Brasil (12,7%), que seria obtida com a conclusão da venda da GVT, por ações correspondentes a 5,7% do capital total da Telecom Itália.

 
Entraram em vigor alguns dispositivos do regulamento geral de direitos do consumidor (RGC), aprovado pela Anatel em 2013.
A Anatel pretende iniciar uma ação para coibir a utilização de repetidores e reforçadores de sinais de celular por parte de terceiros.


A Anatel fixou em 2,1% o Fator X (Produtividade) a ser considerado no reajuste das tarifas de telefonia fixa em abril.


Smartphones e PCs


O dólar, com uma cotação maior que R$ 3,00, está pressionando o preço dos smartphones no Brasil o que pode impactar particularmente o crescimento da 4G.


A Dell superou a Positivo em vendas de notebooks no Brasil no 4T14.


Ofcom


A Ofcom, agência reguladora da Inglaterra, iniciou uma pesquisa pública. A última consulta desta natureza feita pela Ofcom resultou na separação da rede de infraestrutura hoje existente naquele país.

 Não é de se esperar uma alteração tão significativa, sendo mais provável que a questão principal seja o nível de concorrência e qualidade de serviços desejados pelos usuários.



 

 

8
3/2015

Comentários
0

Vivo lidera no pós e no pré-pago em Jan/15, Algar, Oi, PCs e MWC 2015 (Barcelona)

Eduardo Tude

Celular em Jan/15: Vivo lidera em adições líquidas de pós e pré-pago


A Vivo liderou em adições líquidas no mês (771 mil), seguida pela Claro (278 mil), Nextel (94 mil) e TIM (66 mil). A Oi apresentou adições líquidas negativas (-261 mil).


Como de costume, a Vivo liderou no pós-pago (237 mil) seguida pela TIM (108 mil), Claro (39 mil) e Oi (14 mil).


A surpresa é que a Vivo liderou também no pré-pago (534 mil), seguida pela Claro (239 mil), TIM (-42 mil) e Oi (-275 mil).


A Vivo pode ter sido mais rigorosa no desligamento de pré-pagos inativos em Dez/14, de modo a economizar no pagamento de Fistel, e desta forma ter apresentado cancelamentos menores em Jan/15 o que implicou no crescimento das adições líquidas.


O Brasil terminou Jan/15 com 281,7 milhões de celulares e adições líquidas de 973 mil celulares, sendo 470 mil de pré-pago e 503 mil de pós-pago.


Quanto à tecnologia dos celulares (excluídos terminais de dados):

  • 56,1% são 3G,
  • 41,0% são 2G.
  • 2,9% são 4G


MWC 2015 - Barcelona


Destacaria três temas principais no MWC 2015, maior evento de comunicações móveis do mundo.


1) Internet das coisas (IoT)/5G


A conexão entre “coisas” permite a otimização e automatização de processos e levará a um ganho brutal de produtividade na economia. As áreas onde estes processos estão mais adiantados são o carro conectado, casa conectada, saúde e pagamentos móveis.


Devemos começar a ver em 2016 carros com direção autônoma em engarrafamentos e em 2018 nas rodovias (incluindo troca de faixa sem intervenção do motorista).


Já existem várias soluções para a casa conectada. O desafio agora é que não basta medir: é necessário descobrir maneiras de tornar os processos mais eficientes. A Cozinha conectada é um bom exemplo. O que automatizar? (ponto de cozimento no forno?)


A IoT é um dos principais drivers do 5G. Segundo o GSMA as conexões M2M via celular representam apenas 7% do total de conexões M2M do mundo. Para que esta participação cresça, o 5G precisará ter capacidade para um número muito maior de conexões e latência inferior a 1 ms de modo a executar operações de controle.

 
2) Tudo vai virar software


Está cada vez mais forte a tendência para virtualização de elementos da rede (NFV).


Com a inteligência da rede indo para a nuvem (cloud) e o software ocupando um lugar cada vez maior, cresce também a utilização de "Big Data" no negócio das operadoras.


A flexibilidade destes sistemas, aliada a possibilidade de utilizar informações de onde estão localizados os usuários está levando ao desenvolvimento de sistemas que auxiliam o planejamento de rede, principalmente onde colocar small cells, e servem de base para ações de marketing.


Por outro lado, crescem neste contexto as preocupações com privacidade e segurança da informação.


3) Dispositivos


O Smartphone assume cada vez um papel central substituindo o telefone celular convencional e passando a ser o principal dispositivo de acesso a internet para o individuo.


O MWC foi o palco para o lançamento de novos modelos de smartphones pelos principais fornecedores como a Samsung (S6), Microsoft, Sony e outros.


A inovação ocorre principalmente nos dispositivos wearables (vestíveis), como é o caso dos vários lançamento de relógios (HTC, LG, Huawei entre outros). Os relógios para a prática de esporte são a principal aplicação destes dispositivos.


Este ano fiz parte da comissão julgadora do Global Mobile Awards (20ª edição) que escolheu os melhores em 40 categorias.


Para mais detalhes consulte o “Como foi o MWC 2015” publicado pelo Teleco.


A Workshop da Teleco, que será realizada dia 18 de março, discutirá o impacto destas tendências no Brasil.


Resultados 2014: Algar


A Algar Telecom apresentou bons resultados em 2014. A receita líquida cresceu 17,7% e o lucro líquido 2,9%. A margem EBITDA apresentou pequena redução de 25,1% em 2013 para 24,3% em 2014.


Oi


A CVM autorizou a permuta de ações entre a Oi e Portugal Telecom SGPS que faz parte do acordo firmado pelas duas empresas em função do empréstimo da PT para o Grupo Espírito Santo.


A Altice declarou que espera concluir a compra dos ativos da Portugal Telecom no segundo semestre deste ano.


Vendas de PCs no Brasil em 2014


Segundo o IDC foram vendidos 10,3 milhões de PCs no Brasil em 2014, 26% a menos que em 2013. Foram 4 milhões de desktops (-31%) e 6,4 milhões de notebooks (-22%).


 

 

1
3/2015

Comentários
0

Barcelona, Resultados da Vivo, Telefônica e GVT, banda larga fixa Jan/15 e outros destaques

Eduardo Tude

MWC 2015: Barcelona


Está é a semana do Mobile Word Congress em Barcelona. Comentarei as principais tendências da maior feira e congresso de celular do mundo neste blog.


Resultados 2014: Vivo, GVT e Telefônica


O Grupo América Móvil Brasil repetiu em 2014 o bom desempenho dos anos anteriores.


Na comparação de 2014 com 2013 a Vivo apresentou os seguintes resultados:

  • A receita líquida cresceu 0,8%.
  • A receita líquida do móvel cresceu 3,2%, resultado do foco da operadora no pós-pago e em dados. A receita de dados representou 37,1% da receita líquida de serviços da operadora em 2017.
  • Já a receita líquida do fixo apresentou queda de -3,9%. O crescimento da receita de TV por assinatura (21,6%) e de banda larga fixa 0,1% não foi suficiente para compensar a queda na receita de telefonia fixa.
  • A margem EBITDA apresentou uma redução de 1%: de 30,7% em 2013 para 29,7% em 2014.
  • Já o lucro líquido cresceu de R$ 3,7 bilhões em 2013 para R$ 4,9 bilhões em 2014.


Na GVT, que deve ser incorporada a Vivo em 2015, a receita líquida cresceu 12,8% em 2014 e a margem EBITDA caiu de 41,4% em 2013 para 39,8% em 2014.


A receita do Grupo Telefônica no mundo apresentou queda de 11,7%, embora o crescimento orgânico tenha sido positivo (2,6%). A variação do cambio, principalmente na Venezuela, é a grande responsável por esta diferença.


Banda Larga Fixa (SCM) em Jan/15


O Brasil terminou Jan/15 om 24,1 milhões de acessos banda larga fixa (SCM) e adições líquidas de 145 mil acessos no mês.


A Embratel/Net liderou em adições líquidas (68,5 mil), seguida pela GVT (33 mil) e SKY (14 mil). A Vivo (-34 mil) e a Oi (-10 mil) apresentaram adições líquidas negativas.


Oi


A Oi contratou a Alcatel Lucent para ampliar a velocidade de seu backbone para 100 GB.


Após as declarações do presidente da Telecom Itália, descartando no curto prazo uma fusão da TIM com a Oi, as ações da Oi apresentaram queda de 8% na semana.


Tráfego de dados em Smartphones


Segundo o Ericsson Mobility Report, os aplicativos com maior participação no tráfego de dados em smartphones no Brasil são: Facebook (28%), Chrome (16%),e YouTube (15%), WhatsApp (13%) e Instagram (6%).


Anatel


A Anatel aprovou a prorrogação das licenças das frequências de 1,8 GHz da TIM e da Oi baseada em parecer da Advocacia Geral da União.


Entrou em vigor a redução de até 22% nas ligações fixo móvel aprovada pela Anatel no dia 5 de fevereiro


Outros destaques


Um juiz do Piauí determinou a suspensão do WhatsApp em todo o Brasil, decisão revogada por um desembargador do Tribunal de Justiça do Piauí .


A NII, controladora da Nextel Brasil, teria fechado a venda da Nextel Argentina para os fundos Kingsley Capital e Optimum Capital.


A Medida Provisória nº 669/15 aumentou a alíquota da contribuição previdenciária aplicada sobre o faturamento das empresas que optaram pela desoneração de 1% para 2,5% e de 2% para 4,5%. As mudanças atingem diretamente empresas de TIC e call centers. O setor de radiodifusão através da Abert divulgou nota condenando a medida.


A Ericsson entrou com vários processos de violação de patente contra a Apple.


32% dos acesso banda larga fixa no Reino Unido possuem velocidade maiores que 30 Mbps (Ofcom).

 

 

Eduardo Tude

Presidente e sócio da empresa de consultoria Teleco, atua desde 2002 como analista do mercado de Telecom, coordenando projetos de consultoria, publicando artigos semanais, preparando relatórios setoriais e apresentando workshops.

Engenheiro de Telecom (IME 78) e Mestre em Telecom (INPE 81) é membro da Comissão julgadora do Global Mobile Awards do Mobile World Congress em Barcelona e atuou como professor especialista visitante da Unicamp (2013).

Ocupou várias posições de Direção em empresas de Telecom em áreas como Sistemas Celulares (Ericsson), Redes Ópticas (Pegasus Telecom) e Satélites (INPE).

Histórico

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

Produtos Teleco

CONSULTORIA TELECO

Inteligência em Telecom

Estudos e Base de Dados

Relatórios

Celular Brasil 2016

Telecom e Capex

Venda de Planilhas

Dados históricos do Mercado Brasileiro

Workshops

Internet das Coisas
27 de Junho

Market Update

Regulamentação

Mais Produtos