Seção: Comentários Teleco

 


Comentário

publicado em 06/09/2004

 

A Indústria de Telecomunicações em 2004

 

O PIB do Brasil cresceu 4,2% no primeiro semestre de 2004, em relação a igual período de 2003.

 

No trimestre, o setor de serviços de comunicações, que inclui telecomunicações e serviços postais, após registrar três trimestres consecutivos de taxas negativas de crescimento, registrou resultado de 0,1%. Os serviços de telefonia fixa e correio são apontados pelo IBGE como responsáveis por estes valores negativos.

 

O quadro atual de serviços de telecomunicações é de crescimento acelerado no celular e estagnação no número de usuários de outros serviços como telefonia fixa e TV por assinatura. O crescimento do consumo das famílias, 3,1% no primeiro semestre de 2004, pode ajudar a melhorar esta situação.

 

Mas, e o setor industrial de telecomunicações. Como está?

 

Segundo dados da Abinee a indústria de telecomunicações apresentou no 1º semestre de 2004 um faturamento 48% maior que o do 1º semestre de 2003, tendo sido o setor da indústria eletroeletrônica que mais cresceu.

 

A porcentagem de empresas da indústria de telecomunicações que apresentaram vendas/encomendas abaixo das expectativas vem caindo a cada trimestre. As empresas estão prevendo para 2004 um faturamento 26% superior ao de 2003 que foi de R$ 8,7 Bilhões.

 

 

 

Este crescimento está provocando uma maior utilização da capacidade produtiva e vem sendo puxado pela telefonia celular, seja pela venda de terminais, seja pela expansão da infra-estrutura existente devido às novas licenças e a migração do TDMA para o GSM e CDMA.

 

No 1º semestre de 2004 a Brasil Telecom GSM investiu R$ 255 milhões e os investimentos da Tim (212 milhões de Euros) e da Vivo (R$ 521 milhões) foram respectivamente 72% e 34% maiores que os do 1º semestre de 2003.

 

A produção de celulares no Brasil está aquecida e o consumo interno tem reduzido as exportações.

 

No 1º semestre de 2004 foram produzidos na Zona Franca de Manaus 10,5 milhões de celulares, quantidade 41% maior que a do 1º semestre de 2003. A exportação de aparelhos telefônicos (inclusive celulares) caiu no entanto de 7,5 milhões de aparelhos em 2003 para 1,5 milhão no 1º semestre de 2004.

 

Na telefonia fixa, o investimento das operadoras está repetindo o ano de 2003, apesar das variações em cada operadora, como apresentado na tabela a seguir.

 

R$ milhões Jan-Jun 2004 Jan-Jun 2003
Telemar 372 272
Brasil Telecom 468 722
Telefonica 597 596
Embratel 295 142
Total 1.732 1.732

 

A área de dados com a expansão da Banda Larga, VoIP e a implantação de Redes NGN vem puxando os investimentos nas operadoras de telefonia fixa. Esta operadoras precisarão aumentar os investimentos para atender as metas de universalização.

 

 

Diante deste quadro pergunta-se:

  • A retomada do crescimento das telecomunicações está acontecendo? O quadro é de otimismo? O crescimento duradouro?
  • Quais setores da indústria tem perspectiva de crescer neste cenário?
  • O Brasil irá retomar o rítmo de exportação de terminais celulares em 2005?
  • Como a escolha do novo padrão de TV digital pode afetar este quadro?
  • Como a chegada da VoIP pode afetar o mercado em 2005?
  • O cenário de consolidação de fabricantes de telecomunicações é inevitável?

Comente!

Para enviar sua opinião para publicação como comentário a esta matéria para nosso site, clique aqui!

 

Nota: As informações expressadas nos artigos publicados nesta seção são de responsabilidade exclusiva do autor.

 

 

Comentário de Sérgio Miranda

Quanto ao otimismo, sim! sou otimista em relação ao reaquecimento exponencial do mercado de Telecom, principalmente no que se refere as redes NGN's e no que se refere a serviços de VoIP! Penso que o segmento que mais irá gerar rentabilidade é o de VoIP, inclusive demandando investimentos no segmento para pessoa fisica (SOHO).

 

Hj no Brasil temos um ambiente voltado para SOHO muito peculiar ao dos EUA do início dos anos 90, o que tem gerado e tende a continuar crescendo a demanda por soluções de Banda Larga e redução dos custos operacionais (de hj) da Telefonia fixa e ainda somando a isso a integração do segmento de TV Digital que em 2005 será mais um serviço a ser agregado no portifólio das Operadoras de Telecom.

 

Quanto ao mercado de celulares no Brasil, ainda sou um pouco cético com os números abordados, até pq, todas as pesquisas até o momento apresentadas, são calcadas em pontos móveis, ou seja, aparelhos ativados (...a cosiderar q pra cada ponto de voz fixo, podemos ter em média 3 pontos móveis...), bom para a Indústria claro, mais ainda um pouco nublado do ponto de vista da tecnologia!

 

 

Comentário de Marcos AV Feitosa

O mercado brasileiro continua um paradoxo sem precedentes e difícil de ser explicado. Por outro lado a chegada de VoIP é definitiva e forçará inevitavelmente as empresas operadoras a reverem seus conceitos de comercialização de serviços e por outro lado o consumidor mais uma vez mudar seus hábitos de consumo tão arraigados pelos 25 anos de mercado fechado e estes 6 anos de "vontade de abertura".

 

A chegada de VoIP é o elemento definitivo que forçará esta mudança e especialização dos serviços, pois exigirá equipamentos mais "sofisticados" para a transmissão de voz no usuário final, que hoje ainda usa linha discada para acesso á internet e está recebendo uma lenta mudança para banda larga sem trocar a base de cabos e conectores, que em alguns casos já têm mais de 20 anos instalados.. Este mudança acelerará que todo "bloco de enrolar" seja trocado bem como seus respectivos cabos. Este é o mercado que esperamos.

 

 

Loading
CONSULTORIA TELECO

Inteligência em Telecom

Estudos e Base de Dados

Relatórios

Celular Brasil 2016

Telecom e Capex

Venda de Planilhas

Dados históricos do Mercado Brasileiro

Workshops

Internet das Coisas
27 de Junho

Market Update

Regulamentação

Mais Produtos

 
 

EVENTOS

Workshop de Internet das Coisas

Organizador: Teleco
27 de junho

Mais Eventos

LIVROS

 




 

 


Siga o Teleco

linkedin

 

...