Seção: Comentários Teleco

 


Comentário

publicado em 13/09/2004

 

As Operadoras de Telecomunicações são rentáveis?

 

A rentabilidade das operadoras de telecomunicações é normalmemte acompanhada através dos seguintes indicadores:

  • EBITDA, lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização. É uma medida de geração de caixa no período.
  • Margem EBITDA, é a relação entre EBITDA e receita líquida, indica a margem operacional da empresa.
  • Lucro Líquido.

As tabelas a seguir apresentam estes indicadores para as operadoras de telefonia fixa e celular em 2003.

 

Resultados de Operadoras de Telefonia Fixa (2003)

 

Milhões de R$ Telemar* Brasil Telecom Telefonica Embratel

EBITDA
6.220,5 3.314,0 5.302,5 1.782,9
Margem EBITDA 44,4% 41,9% 44,9% 25,3%
Lucro Líquido 212,7 (25,3) 1.588,0 223,6

* Telemar inclui Oi.

 

Resultados de Operadoras de Telefonia Móvel (2003)

 

Milhões de R$ Vivo Claro Tim* Oi Telemig
e Amaz.

EBITDA
3.748 1.104 522 107 63
Margem EBITDA 37,6% 26% 11,8% 7,3% 39%
Lucro Líquido (310) N.D. N.D. (840) 152

* segundo normas contábeis italianas.


A Margem EBITDA é o indicador de rentabilidade mais utilizado entre estes três. O lucro líquido é influenciado por receitas/despesas não operacionais, que não fazem parte das operações normais da companhia.

 

Na telefonia fixa, pode-se observar que as margens EBITDA das operadoras locais estão na faixa de 40/45%. A Telefonica posiciona-se na parte mais alta da faixa (44,9%), enquanto a Embratel apresenta margem bem mais baixa de 25,3%. As margens das operadoras locais brasileiras são consideradas boas, quando comparadas com outras operadoras internacionais.


Na telefonia celular as operadoras que não adquiriram novas licenças - Vivo, Telemig e Amazônia Celular - apresentam margens de EBITDA superiores às demais, na faixa de 35-40%. A Margem EBITDA da Tim, por exemplo, seria de 41% sem considerar a Tim Celular que engloba as novas licenças.

 

Cabe observar que margens inferiores às das operadoras de telefonia fixa são uma característica do mercado celular em quase todo o mundo. O crescimento e a competição intensa obriga as operadoras a investir na aquisição de clientes com impacto na Margem EBITDA. Por exemplo, a Margem EBITDA da Claro no 2º trimestre de 2004 foi de 0,3%.

 

As operadoras com boas Margem EBITDA são rentáveis?

 

Apesar de ser um bom indicador de rentabilidade a margem EBITDA apresenta uma limitação. Não leva em consideração o capital investido pela empresa.

 

A rentabilidade, considerando-se o capital investido, pode ser avaliada utilizando-se os seguintes índices:

  • ROIC, Retorno sobre Capital Investido,
  • Spread, retorno líquido dos acionistas, calculado deduzindo-se o custo médio do capital (WACC) do ROIC.

A tabela a seguir apresenta estes índices para operadoras de telefonia fixa locais no período de 2000-2002. O investimento neste caso é a média de todos os recursos onerosos do passivo em duas datas.

 

 

ROIC

Spread

Telmex 20,5% 10,5%
Telecom Itália 14,0% 7,6%
Portugal Telecom 10,6% 2,0%
Telefonica S A 5,6% -3,4%
Operadoras Brasil 3,6% -12,0%

Fonte: Accenture e Guerreiro Teleconsulting

 

As operadoras de telefonia fixa local do Brasil apresentam o menor ROIC e spread negativo no período de 2000-2002. Isto significa que houve prejuízo econômico no período, já que a rentabilidade não cobriu o custo do capital.

 

Pode-se argumentar que as empresas do setor de telecomunicações tiveram perdas em muitos países e que o Brasil não foi uma exceção. Na verdade, a discussão sobre o retorno dos investimentos passados é sempre controversa. A questão mais importante é a perspectiva para investimentos futuros. Caso as empresas não estejam seguras sobre retorno, dificilmente irão efetuar novos investimentos. E, no caso das operadoras fixas existem obrigações de universalização estabelecidas nos contratos de concessão que precisam ser cumpridas.

 


Dado este quadro pergunta-se:

  • As operadoras de telecomunicações no Brasil são rentáveis? Os investimentso feitos por estas operadoras são rentáveis?
  • Existe um problema de escala nas operações de telefonia fixa e celular no Brasil?
  • As operadoras multinacionais, como a Telefônica, conseguem ter resultados melhores?
  • Quão importante é a estratégia das operadoras fixas de adquirir licenças de telefonia móvel? Isto não representa uma “canibalização” de sua receita?
  • Qual será o impacto da VoIP na receita das operadoras fixas?
  • Quando o mercado de telefonia móvel irá se estabilizar?
  • Quando as operadoras celulares novas atingirão patamares de EBITDA mais elevados?

Comente!

Para enviar sua opinião para publicação como comentário a esta matéria para nosso site, clique aqui!

 

Nota: As informações expressadas nos artigos publicados nesta seção são de responsabilidade exclusiva do autor.

 

 

Comentário de Ronan Carvalho

Sim, são rentáveis talves não tanto quanto seus investidores gostariam, mas são rentaveis, sim . Vejamos o exemplo da Telefônica:lucro liquido de um bilhão quinhentos e oitenta e oito mihões reais. É uma quantia considerável. O que se pode questionar é a cerca do preço pago no processo de privatização. Com certeza os investidores terão de rever seus planos e perspectivas futuras e adequarem-se ao novo anbiente de mercado que ora se apresenta.Não acredito que as metas de universalisação seja um entrave na avaliação de novos investimentos.Para que serve o FUST ?

 

Além do mais , as empresas de telefonia fixa ainda gosam de uma fatia muito grande do mercado , nem se quer chegamos no DUOPÓLIO que era esperado quando da criação das espelhos e espelhinos .Uma boa REGULAÇÃO por parte do estado e boa ADMINISTRAÇÃO por parte dos investidores fará com que as empresas de telecomunicações continuem a crescer com rentabilidade, mas também cumprindo o carater social a que deve as TELECOMUNICAÇÕES em uma nação

Vejo com bons olhos as empresas de telefonia fixa se lançarem na rede móvel.Acredito que elas tem muito a oferecer se houver uma integração entre suas redes ampliando sua base de serviços, unindo diretamente as duas tecnologias. No entanto deve-se dar uma atenção especial aos
contratos de interconexões para que não haja uma concorrência desleal, preservando o ambiente competitivo. A mobilidade é um trunfo das telecomunicações nos dias de hoje e não deve-se despreza-la.

 

 

Loading
CONSULTORIA TELECO

Inteligência em Telecom

Estudos e Base de Dados

Relatórios

Celular Brasil 2016

Telecom e Capex

Venda de Planilhas

Dados históricos do Mercado Brasileiro

Workshops

Internet das Coisas
27 de Junho

Market Update

Regulamentação

Mais Produtos

 
 

EVENTOS

Painel Telebrasil 2017

19 e 20 de setembro

Organizador: Telebrasil

A Jornada NFV e outras Inovações de monetização em infraestrutura Telco-Cloud

21 de setembro

Organizador: Telesemana/Teleco

Mais Eventos




LIVROS

 

 

 


Siga o Teleco

linkedin

 

...