Atualizado em: 10/04/2015

Os desafios da TIM para 2015

 

A receita líquida de serviços da TIM apresentou queda de 1,6% em 2014.

 

O crescimento de 23,4% da receita de dados/SVA não foi suficiente para compensar a queda de 8,8% na receita líquida de voz.

PUBLICIDADE

 

 

 

A queda de 30,1% na receita com VU-M (interconexão) foi a principal responsável pela queda da receita de voz da TIM em 2014.

 

 

 

 

A Anatel reduziu o valor médio de VU-M, pago para a TIM para terminar chamadas de outras operadoras, de R$ 0,32 por minuto em 2013 para R$ 0,24 em 2014. Em 2015 este valor vai para R$ 0,16.

 

A receita com VU-M, que ainda representou 11,1% da receita líquida de serviços em 2014, deve representar muito pouco em 2019, quando o valor da VU-M cair para R$ 0,02.

 

Contribuíram também para a queda na receita de voz a redução nos minutos mensais de uso por usuário (MOU) associado a um baixo crescimento da base de celulares (3,1%).

 

 

 

 

 

A TIM cresceu nos últimos anos com uma oferta inovadora para voz (plano Infinity) que a levou a liderança em market share no pré-pago. O principal desafio da TIM nos próximos anos é crescer a receita de dados neste segmento, onde estão 83,5% dos seus celulares.

 

Em 2014, 45% do total de celulares da TIM eram usuários de serviços de dados.

 

O crescimento do uso de dados é vital para as operadoras mas acelera as transformações em curso:

A TIM, consciente deste processo, tem tomado iniciativas como o lançamento de um plano controle que não exige a contratação de um pacote de voz.

 

O plano TIM Controle WhatsApp com preço de R$ 29,90/mês inclui:

Além de ofertas inovadoras, o crescimento da receita de dados depende de:

 

Diante deste cenário pergunta-se:

 

 

Comente!

Para enviar sua opinião para publicação como comentário a esta matéria para nosso site, clique aqui!

 

Nota: As informações expressadas nos artigos publicados nesta seção são de responsabilidade exclusiva do autor.

 

 

 

EVENTOS

Mais Eventos