Rádio e TV

14/02/08

Comentários sobre DAB

 

Esta página: Apresenta comentários dos leitores do Teleco sobre o modelo DAB de radiodifusão digital.

 

 

Comentário de Flávio Archangelo

 

DAB sofre revés na Alemanha

 

 

 

No dia 21 de fevereiro de 2008 a KEF (Kommission zur Ermittlung des Finanzbedarfes), órgão independente encarregado pelo financiamento das empresas públicas de comunicação na Alemanha, resolveu reduzir drasticamente as verbas destinadas ao desenvolvimento do modelo DAB (Digital Audio Broadcasting) de radiodifusão digital. O pedido dos radiodifusores públicos para novos investimentos da ordem de 140 milhões de euros foi negado e até 2012 o setor contará com 42 milhões de euros, 70% menos do que o previsto. A comissão acusa ter investido em 10 anos mais de 180 milhões de euros sem que nenhum resultado considerável tenha sido obtido e indicou que tecnologias alternativas devem ser buscadas para a digitalização do rádio.

 

Curiosamente foi na Alemanha que o sistema DAB surgiu em 1981 no IRT (Institut für Rundfunktechnik). Em 1987 o DAB integrou o importante consórcio europeu de pesquisa Eureka 147, que também viabilizou outros padrões digitais como o MP3. No entanto poucas emissoras estão disponíveis em DAB e ao redor de 200,000 receptores foram vendidos, um número modesto para as dimensões da economia alemã.

 

No sentido contrário, o Reino Unido foi o país que mais adotou o sistema, com expectativa de expansão de negócios com a versão DAB+, uma atualização tecnológica do antigo DAB com maior flexibilização dos serviços a serem disponíveis simultaneamente para uma mesma emissora. Aproximadamente 6,5 milhões de residências britânicas têm receptores DAB.

 

A decisão da comissão alemã foi questionada por defensores do DAB e do DMB (Digital Multimedia Broadcasting, formato de transmissão digital para dispositivos móveis baseado na plataforma DAB). Stephan Ory, respondendo pelos radiodifusores privados enquanto gerente da APR (Arbeitsgemeinschaft Privater Rundfunk), disse que “a KEF não é um grupo autorizado a desenhar decisões de política industrial, decisões que afetam não apenas a radiodifusão pública mas também a comercial”.

 

Quentin Howard, presidente da WorldDMB comentou que “não foi surpresa as reações dos radiodifusores alemães contrárias à sugestão, viabilidade ou mesmo o desejo de uma tecnologia alternativa de rádio digital terrestre. A Alemanha já tem uma infraestrutura de transmissão para o DAB, DAB+ e DMB. Como todos compartilham de padrões técnicos comuns há um enorme benefício pratico para os consumidores, incluindo os 400 modelos de rádios digitais que estão sendo vendidos em outros países europeus a preços abaixo de 40 euros”.

 

A WorldDMB declarou em nota nesta terça (29 de janeiro de 2008) que as restrições ao sucesso ao DAB na Alemanha foram de natureza jurídica, superada apenas recentemente com ampliação na alocação de freqüências para rádio digital, o incremento nas potências de emissão e uso de codecs mais eficientes como o AAC+. Cada governo regional (Landing) ainda precisa aprovar as orientações da KEF, portanto o grupo acredita na possibilidade de reversão do ambiente negativo criado pela queda no financiamento público do projeto.

 

No Brasil os radiodifusores privados defendem o modelo HD Radio, de origem americana, por manter características do rádio convencional quanto a manutenção da canalização atual e transmissão simultânea do sinal analógico e digital na mesma freqüência, promovendo uma mudança gradual e controlada. Por outro lado associações pela democratização das comunicações e acadêmicos fazem restrições ao modelo. Entre os argumentos estão a ineficiência técnica, os altos custos que a tecnologia acarretaria para os pequenos radiodifusores e a manutenção da política de concessões, considerada por eles excludente.

 

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e TV (ABERT) está apoiando testes do HD Radio pela Universidade Mackenzie de São Paulo, cuja equipe de engenharia e pesquisa exerceu papel fundamental nos estudos de TV digital. Várias emissoras também realizam emissões experimentais autorizadas pela Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL), entre elas a Band News FM e CBN FM em São Paulo, 24 horas/dia.

 

Outro modelo de digitalização do rádio considerado para o Brasil é o DRM (Digital Radio Mondiale), desenvolvido por um consórcio de várias estações européias e testado pela Rádio Nacional de Brasília tanto em Ondas Médias como Ondas Curtas, com apoio da Universidade de Brasília (UnB). Semelhante ao modelo americano, o DRM promove a digitalização utilizando as mesmas bandas de rádio convencionais, mas ainda não está disponível para o FM. Estudos estão sendo empreendidos na Alemanha para atualizá-lo e incluir as freqüências acima dos 30 MHz. Pesquisadores europeus inclusive indicam o revés do DAB como um espaço tecnológico que o DRM pode conquistar, ampliando sua influência na Alemanha.

 

O DRM não é apoiado pela ABERT mas tem recebido crescente atenção por parte dos opositores do HD Radio por ser uma tecnologia “aberta”, sem necessidade de pagar royalties para as empresas detentoras das patentes, com liberdade para incrementos tecnológicos dentro dos padrões estabelecidos pelo modelo. No entanto sua aplicação é improvável sem a presença do FM digital e sem a viabilização de receptores para o usuário final.

 

Há mais de 4 anos radioamadores brasileiros escutam estações digitais internacionais em DRM utilizando transceptores modificados conectados a computadores pessoais, que convertem os sinais de rádio captados em Ondas Curtas por intermédio de free softwares. Os radioamadores brasileiros também realizaram emissões experimentais em DRM adaptado para 2,5 kHz de faixa passante (SSB).

 

O governo brasileiro aguarda testes mais conclusivos para direcionar sua política de digitalização do rádio. O Congresso, por intermédio de suas comissões e audiências públicas, tem ampliado o debate convocando especialistas para considerar as diferentes vertentes tecnológicas e abordagens sobre o tema.


Flávio Archangelo é doutorando em Comunicação pela UMESP

 

 

 

Comente.

 

Para enviar um comentário clique em: teleco@teleco.com.br

 

Indique se autoriza a publicação do comentário.